Há 6 anos


A saudade é muita coisa
Às vezes mansa e delicada
Outras vezes faz da lágrima enxurrada

E quando você se foi
Aqui ficou um grande vazio
E o que o coração mais sentia era frio

Tantas vezes sem rumo
A rotina intensa e pesada
No desespero e na angústia a gente ficava

Ainda é um pouco assim
O choro pode não ter motivo
Ou ser a ausência do colo que preciso

Ah José, obrigada!
Por nos ensinar a linguagem
De seguir os dias com fé e coragem


Leia Mulheres

A iniciativa quer colocar em evidência a literatura produzida por mulheres por meio de rodas de leitura.




Com o objetivo de promover a leitura de textos literários e livros escritos por mulheres, as três amigas e ativistas Juliana Leuenroth, Juliana Gomes e Michelle Henriques criaram o projeto Leia Mulheres, em 2015. O clube de leitura feminista, que teve início em São Paulo, logo se expandiu por todo país.

Inspirada na campanha #readwomen2014, da escritora britânica Joanna Walsh, que também propunha a leitura de mais autoras, a iniciativa brasileira nasceu para colocar em evidência a literatura produzida por mulheres por meio de rodas de discussões em diversas cidades.


E para minha alegria este projeto já existe em Juiz de Fora.

Para saber em quais cidades este projeto está presente, clique aqui e procure pela sigla do seu estado.

Até breve!

Ana Virgínia  


Carnaval na Sapucaí


Fevereiro
Alegria
Muita festa
Todo dia





Tô aqui nos preparativos pra sentir a bateria das escolas de samba vibrando dentro do meu coração, deliciar-me com os desfiles mágicos e encantadores na Sapucaí.


Se você já foi pra Sapucaí alguma vez, pode me contar sua experiência.



Se tiver curioso (a), como eu estou, pode assistir esses vídeos curtos e explicativos sobre o carnaval na Sapucaí.







Bjo. 




Ia



Covardia
É prometer companhia
E ir embora ao raiar o dia

Pontes ou Muros?





“Todos os muros caem, todos. Não nos devemos enganar. Continuemos a trabalhar para construir pontes entre os povos. Pontes que nos permitam derrubar os muros da exclusão e da exploração. Enfrentemos o terror com amor.”

Quadrilha

João
      Teresa
              Raimundo
                    Maria
                          Joaquim 
                                 Lili

6 pessoas
3 desastres
3 outros destinos

E Lili, que não amava ninguém foi a única que se casou.


João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili,
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.




Fica aí a dica de Drumond (segundo a minha imaginação)
Quem não se envolveu no rolo amoroso foi a única que casou.


Vencer

Vencedores
Vence Dores


>>